O que é a PNL?

A PNL (Programação Neuro Linguística) nasceu nos anos 70 em Santa Cruz, na Califórnia a partir do encontro entre Richard Bandler, John Grinder e Frank Pucelik. A preocupação básica inicial era encontrar formas mais eficientes de terapia. Daí o estudo exaustivo que fizeram de importantes terapeutas da época, tais como Virginia Satir, Fritz Perls e Milton Erickson, sendo nomeados aqui simplesmente os nomes mais citados na história da PNL.

Um grupo de trabalho sob a orientação destas três figuras chave acabou por desenvolver todo um estudo à volta da experiência subjetiva do ser humano e desenvolver maneiras eficazes para lidar com o funcionamento da mente. A partir de 1980 a PNL continuou a desenvolver-se por todo o mundo até ao dia de hoje com inestimáveis contribuições de figuras como Richard Bolstad, Judith Delozier, Robert Dilts, Michael Hall, Steve Andreas, Penny Tompkins e James Lawley, Lucas Derks e muitos outros.

Basicamente a PNL ensina-nos a tomar consciência que a nossa experiência do mundo não é o mundo e que a nossa perceção é influenciada por filtros tais como as crenças e valores, por exemplo, e expressa-se em linguagem. A linguagem é também, por sua vez, um filtro que omite informação, transforma e generaliza a nossa experiência.

O conhecimento destes processos da nossa experiência subjetiva permite-nos um maior conhecimento da maneira como nos comunicamos com nós mesmos e com os outros e oferece-nos toda uma tecnologia que nos permite: um maior auto conhecimento, perceber de forma mais acurada a comunicação do outro, desenvolver a flexibilidade, enriquecer assim a nossa própria comunicação e atingir mais facilmente os objetivos que nos propomos.

Se a PNL na sua origem se confinava à relação terapêutica, como metodologia da comunicação que se tornou, é hoje aplicada para desenvolvimento pessoal e profissional, em relações, no ensino, na liderança, na saúde, no desporto, nas vendas, coaching, mediação. Não há praticamente área das relações humanas em que a PNL não seja aplicada, seja isso feito explicitamente ou não. Tal sucesso deve-se à tecnologia desenvolvida ao serviço da melhoria da auto imagem, do refinamento da perceção, do desenvolvimento da flexibilidade, criatividade, inovação, capacidades comunicativas, criação de ambientes, etc. para além do seu tradicional emprego extraordinariamente eficiente em terapia.

Falar da PNL é falar de aspectos da PNL. Há diversas abordagens possíveis. PNL é todas estas abordagens mas, às vezes, é dado um acento especial a uma abordagem em particular.
Eis algumas das consideradas como principais abordagens:

* Estudo da estrutura da experiência subjectiva, quer dizer, estudo dos processos pelos quais pensamos o que pensamos, sentimos o que sentimos e agimos como agimos. Nesta abordagem está central a descoberta dos processos inconscientes que formam a totalidade das nossas sensações, pensamentos e acções;

* Modelagem da excelência humana, parte do princípio de que o que alguém é capaz de realizar de forma excepcional, cada um de nós é, em princípio, capaz de fazê-lo também, desde que esteja disposto a empregar a mesma estratégia mental e física. Nesta abordagem concentramo-nos na construção de modelos copiados de pessoas consideras excepcionais na realização seja do que for, desde acordar todos os dias bem-disposto até à estratégia de grandes managers, santos, génios ou Jesus Cristo.

* Tecnologia de comunicação connosco e com os outros, concentra-se nos processos como construímos para nós mesmos as mensagens de sucesso ou fracasso, de esperança ou desespero; de como interpretamos o mundo e como reagimos aos outros com as nossas mensagens verbais e não verbais.

* Atitude na vida, resume-se numa tomada de posição: tomar lugar à frente no autocarro da vida, atrás do volante, num processo de auto-responsabilização, ou ir atrás onde as massa se apinham, ao sabor da vontade de outros e culpando outros de todos os mal-estares da nossa má posição. Chamamos a isto, estar do lado da Causa ou do lado do Efeito. Para além disso fala-se duma atitude de curiosidade, auto-experimentar, flexibilidade e crescimento contínuo.

Transformação pessoal, pode significar, encontrar o Todo, o processo que conduz a uma congruência cada vez maior entre todas as partes do Ser, agir a partir das fontes mais profundas da existência, crescer em Unidade, a caminho do “cerne”, a partir do “cerne”.